Visite Nossa Página no Youtube


Rating: 2.9/5 (76 votos)




ONLINE
3





Partilhe este Site...







Total de visitas: 679882
Estudo No Livro de Judas
Estudo No Livro de Judas

-Estudo sobre a Epístola de Judas - 

 

"Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos” (Judas 3).

 

 

Introdução

A epístola que temos diante de nós, embora breve, abrange um vasto período histórico. Apresenta-nos a apostasia do cristianismo, desde os primeiros fundamentos do mal - que se introduziram entre os crentes já no tempo dos apóstolos - até o dia em que o juízo definitivo caia sobre a cristandade. Esta epístola nos mostra a forma em que a Igreja, abandonando as verdades que Deus lhe confiou, tem progredido na impiedade, a que terá seu auge na negação do Pai e do Filho. Nesta época, ainda futura, as trevas morais substituirão a luz do Evangelho que atualmente ainda ilumina o mundo. Todavia, vemos já em ação, nos dias de hoje, todos os fundamentos que caracterizam essa apostasia. E a epístola de Judas nos ensina qual é a atitude que todo crente deve adotar em nossos tempos em relação ao mal e como pode glorificar a Deus nestas tristes circunstâncias. Pois não nos esqueçamos: num tempo de ruína o crente pode glorificar a Deus de uma maneira tão completa como nos dias mais prósperos da Igreja primitiva. As circunstâncias mudaram, sem dúvida, mas ainda Deus pode ser honrado pelos seus, de outras maneiras, porém, de forma tão real como quando o Espírito caiu sobre os discípulos em Pentecostes. Atualmente Deus não nos pede que reedifiquemos o estado de coisas que está arruinado por nossa culpa, nem que nos comportemos no meio da cristandade como se tudo estivesse em ordem, fechando os olhos diante da decadência, mas mostra o caminho que nos guia entre as ruínas, uma vereda aprovada e conhecida por Ele, uma vereda que o olho da águia não conseguiu jamais descobrir, mas que a fé ensina a discernir.

 

Versículos 1-2: “Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo, a misericórdia, a paz e o amor vos sejam multiplicados.”.

 

Notemos em primeiro lugar a forma geral em que Judas caracteriza os crentes aos quais escreve. As outras epístolas se dirigem a eles com palavras muito diferentes; é certo que nelas por duas vezes são nomeados “santos chamados”, quer dizer, santos por vocação, porém somente “chamados” não ocorre nem uma vez, exceto aqui. Quando Deus quer adquirir uma alma para Si começa por chamá-la. Foi o que fez com Abraão, o pai dos crentes, e não podia dar aos filhos de Deus um caráter mais geral que este. Abrange a todos, pois são “chamados”, sem nenhuma exceção. Não encontramos acaso uma evidente advertência nisso? Esta epístola, que trata do tempo atual, se dirige a todos os filhos de Deus, sem excluir nenhum, não considerando o modo de andar ou os conhecimentos e sem ter em conta o que poderia dividi-los. Todos, pois, são responsáveis por escutá-la e adequar-se a ela; daí esse termo chamados, tão amplo e individual ao mesmo tempo. Quando um apóstolo se dirigia a uma assembleia local, mais de um crente que não fosse parte dela poderia (sem dúvida, com pouquíssimo conhecimento a respeito) considerar-se sem obrigações de cumprir todo o conteúdo da epístola; com Judas, uma ideia semelhante seria imperdoável. Cada um dos membros da família de Deus, neste mundo, deve dizer: “Aqui o Senhor se dirige pessoal e individualmente a mim”. Podemos notar que duas coisas dão a esses “chamados” uma certeza absoluta no que se refere a suas relações com Deus. São “amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo”. Jamais deveria haver na grande família de Deus nenhuma só alma que duvidasse de suas relações com o Pai e que não tivesse a certeza de sua salvação. Os que duvidam d’Ele, que meditem nestas palavras. O amor do Pai por nós é tão perfeito como seu amor para Jesus Cristo, seu Amado; por isso nos disse: “Amados em Deus Pai”. Nossa segurança é tão perfeita como a de Jesus Cristo; pelo que também nos disse: “Guardados em Jesus Cristo”. Se a salvação dos chamados dependesse de fidelidade, nenhum deles chegaria ao fim de sua carreira. Assim como não podemos nos salvar, tampouco podemos nos manter. Nossa segurança eterna está garantida, não porque sejamos fiéis, mas porque o Deus de amor nos vê como vê a Cristo.

 

Misericórdia e testemunho individual.

A saudação do apóstolo tem grande importância. Nas epístolas dirigidas a Timóteo, a palavra “misericórdia” faz parte da saudação, mas em nenhuma epístola dirigida a um grupo de crentes existe esta palavra. É que a misericórdia é uma coisa necessária, não a uma coletividade, mas a cada crente individualmente. Eu sou um pobre ser débil, falho de muitas formas, exposto a contínuos perigos. Meu estado desperta a piedade divina, a que vem em meu socorro, me adverte e se interessa por todos os detalhes do meu andar aqui na terra. Tal é o caráter da misericórdia. Porém aqui, uma epístolacoletiva, dirigida sem distinção a todos os chamados, invoca sobre eles a misericórdia. Como explicar este fato incomum? Por uma séria razão de que, em um tempo de ruína, o testemunho cristão toma um caráter cada vez mais individual. Isto não significa de maneira alguma, como se ouve dizer às vezes de crentes desanimados diante da rápida invasão do mal, que o testemunho cristão não pode ter mais o caráter coletivo de uma reunião de santos. Os que assim falam estão em um grande erro, e a epístola de Judas o prova. Ela menciona pessoas que se introduziram encobertamente entre os fiéis e que são manchas no meio deles; isso indica, pois, que existe uma reunião de santos. Porém, o ensino que recebemos aqui é que nós somos chamados, na presença do terrível estado moral da cristandade, a sermos mais e mais fiéis em nosso testemunho individual, pois Deus toma conta dele de maneira especial. Sem dúvida é um privilégio imenso, para o coração de crentes inteligentes, poder, em comunhão, gozar da mesa do Senhor, sinal por excelência do testemunho coletivo e proclamação da unidade do Corpo de Cristo em um tempo em que esta unidade está esmagada na cristandade professante. Que este testemunho se encontra na atualidade em um estado de debilidade extrema, comparado com o que foi no passado, não é preciso dizer, mas, no entanto, Deus toma conta dele, pois tudo o que existe de mais elevado no cristianismo, o culto, se relaciona com a reunião de seus filhos em separação do mundo. Porém, sobre o que insistimos é que, se nosso testemunho coletivo pode ser de tal maneira empobrecido que se restrinja à reunião de dois ou três ao redor do Senhor, o testemunho individual não deveria sofrer tais obstáculos. Pode ser tão poderoso como quando o Espírito Santo enchia individualmente aos cristãos no alvorecer da Igreja. O poder do Espírito Santo no indivíduo não está agora mais limitado que naquele tempo, sempre que cuidamos de não contristar este hóspede divino em nosso andar, em momentos em que o caráter mundano e a infidelidade da Igreja – em uma palavra, sua ruína – restringem necessariamente a operação do Espírito na Assembleia. Um testemunho individual mantido com fidelidade no tempo presente e uma santa separação do mal em todas as suas formas são tanto mais necessários quando, por causa da iniquidade dominante na Igreja, não podemos encontrar muito apoio e socorro em nossos irmãos. Porém, sempre nos permanece o Senhor e podemos contar por inteiro com ele.

 

Sobre a apostasia

Aqui muitos cristãos se sentirão tentados a me interromper. Nos fala – dirão - dos progressos do mal, do estado de ruína da cristandade, da proximidade do juízo. Parece que de propósito aparta os olhos de todo bem que se realiza a seu redor, da atividade de nossas igrejas, do esforço considerável de amor e solidariedade que atualmente caracteriza o mundo cristão, das imensas somas empregadas para antecipar o reino de Deus.  Encontro-me longe de negar tudo o que a fé produz nos filhos de Deus, porém Deus não considera o estado da cristandade como vocês e o mundo consideram. Ele julga o estado dos homens segundo o comportamento deles com relação a Seu Filho e às escrituras que O revelam, e não seriam vocês sinceros se pretendessem negar que o ambiente professante do qual fazem parte se encaminha rapidamente para o abandono da Palavra e a negação do Filho de Deus. Este caráter do juízo de Deus se afirma desde o princípio até o fim das Escrituras. É o estado moral do mundo frente a Deus o que nos dá a medida do Seu juízo; não são seus progressos materiais nem a avaliação que de si mesmo têm, nem o grau de consagração que se atribui. A apostasia completa consiste na negação do Pai e do Filho e é o que, entre outras, a epístola de Judas, a segunda de Pedro e a primeira de João põem em evidência. Satanás tem mil maneiras de separar os homens de Deus, iludindo-os, nutrindo seu orgulho e ocupando-os com seu próprio progresso.

 

Paz, amor e graça em atividade

A paz e o amor vos sejam multiplicados” (v. 2). Queridos irmãos e irmãs, eis aqui o desejo do apóstolo para todos nós. Aqui não fala da paz com Deus e de Seu amor, aos quais nada há que acrescentar, mas que deseja que na prática os experimentemos. Conhece as dificuldades dos crentes nestes últimos dias, nos quais o mundo está caracterizado, de uma parte, por uma crescente e perpétua agitação e, de outra pela frieza de todos os afetos legítimos e pelo egoísmo que prevalece sobre todas as outras considerações. “O amor vos seja multiplicado”. Eu creio, queridos amigos, que se nos dias atuais os “chamados” do Senhor recebessem em seus corações o que o Espírito de Deus lhes deseja aqui, todos seriam boas testemunhas de Jesus Cristo. O inimigo procura esfriar a todo custo o amor que é o vínculo entre os filhos de Deus. Não deve conseguir! Não nos é muito difícil ver o mal, mostrá-lo, detalhá-lo nos outros; porém, mostrar o mal é um remédio? Não, é o amor que cura, o que levanta e ergue a nossos irmãos na marcha. A graça ganha o coração. A severidade pode reprimir o mal, porém jamais alcançou alguém. Se for assim para com nossos irmãos, o mesmo é para o Evangelho anunciado ao mundo. A graça atrai, atua sobre a consciência, produz o arrependimento, conduz para Cristo e, se é necessário dizer ao homem a verdade e fazê-lo compreender seu estado de afastamento de Deus, é ainda a graça que põe a descoberto este estado para corrigi-lo, pois a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. Em um tempo no qual o amor de um grande número de cristãos se esfriou e a iniquidade prevalece, não temos necessidade de que o amor nos seja multiplicado?

 

Versículo 3: “Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos”.

 

Agora o Apóstolo aborda o tema de sua epístola. Não nos surpreende a seriedade e a solenidade deste início? Seu primeiro intento havia sido pegar a pena, cheio como estava do grande desejo de apresentar-lhes um tema que sempre será motivo de gozo para os resgatados: “a comum salvação”. Antes de tudo ele quis que os crentes gozassem, em comunhão uns com os outros, das maravilhas da obra do Salvador..., porém, a pena cai de suas mãos. O que aconteceu? Surgiram perigos, e aqueles pobres cristãos talvez não se deram conta. Era urgente adverti-los, a fim de que não dormissem numa perigosa inércia. O apóstolo abandonou, pois, seu primeiro intento, tomou de novo a pena e os exortou a combater pela fé.

 

Manter uma doutrina imutável

Amados irmãos! Esta exortação é hoje mais atual do que era então. A guerra está declarada, o inimigo está em campanha. Os perigos ameaçam vocês em todo lugar. Toda sorte de ciladas lhes é estendida, a falsidade os rodeia. Pode ser que as ovelhas do Senhor não estejam em guarda contra os estranhos que vêm a elas com discursos perfeitos e palavras lisonjeiras com intenção de destruir os fundamentos de sua fé. Pode ser que não tenham o coração suficientemente simples para estarem sujeitos unicamente à voz do Bom Pastor. O apóstolo decidiu nos escrever. Trata de nos despertar, de nos levantar, de combater contra o poder do mal que nos rodeia. Qual é o estandarte que devemos levantar? “A fé que uma vez por todas foi dada aos santos”

Em uma quantidade de passagens que seria longo enumerar, vemos que “a fé” nos é aqui o dom de Deus situado no coração e que nos faz capaz de alcançar a salvação: A fé é o conjunto de doutrinas cristãs ensinadas aos santos, doutrinas das quais se apropriam pela própria fé. Nesse contexto, o que caracteriza o mal, nos últimos dias, é o abandono destas doutrinas.

Notem bem estas palavras: uma vez. Este ensino tem lugar uma vez; é imutável, isto é, não tem sofrido nenhuma modificação. Quando Judas escrevia, falava desse ensino como pertencente ao passado; tratava-se do que havia aprendido os primeiros cristãos pela palavra dos apóstolos. Temos esse ensino agora na Palavra. Deus tem tido o cuidado de registrá-la para nós nas Santas Escrituras e fora dela não existe nada em nenhum outro lugar. Quanto desejaria poder convencê-los, amados, que o grande trabalho que nos cabe hoje é manter com mão firme a bandeira que nos foi confiada, ao redor da qual devem agrupar-se todos os “chamados”, sem exceção, divisa sobre a qual estão escritos dois nomes que formam só um: a palavra de Deus e o Senhor Jesus Cristo.

 

Reter firmemente os ensinamentos originais

Quando nos encontramos em luta contra o mal moral que aumenta a cada instante no mundo, que estende por todos os lugares a infidelidade e a incredulidade e, o que é até mais perigoso, que invoca a razão para destruir a verdade, não pensem que seja preciso nos empenhar em muitas discussões. Somos demasiadamente inaptos para semelhante tarefa, e estou convencido que, em nosso estado de fraqueza, não somos mesmo capazes disso. Nos tempos da Reforma, e até no século passado, a discussão, sem convencer aos adversários, podia fortificar as almas dos crentes nas lutas contra o inimigo, mas em vista de nossa pouca força, nosso papel atual é, diante de tudo, não nos deixarmos desviar das coisas que têm sido ensinadas uma vez aos santos e retê-las firmemente. Nisto consistia a luta de Filadélfia: “Guarda o que tens”, disse o Santo, o Verdadeiro (Apocalipse 3:11). Não pense você que isto exige amplos conhecimentos e inteligência; só se precisa uma coisa muito simples: o amor por Cristo, e o mais ignorante entre nós pode possuí-lo. Se o Senhor ocupa, em nossos corações, o lugar que Lhe é devido, por certo conseguiremos a vitória, pois Satanás nada pode contra ELE e manteremos a fé que tem sido dada uma vez aos santos, pois só ela tem ao Senhor por objeto. Podemos ver por esta epístola que, no tempo em que o apóstolo escrevia, a divisão, que já moralmente estava presente na Igreja, não era ainda fato consumado. Ela só teve lugar depois do desaparecimento do último apóstolo, porém, Judas prevê e anuncia o que ia suceder e adverte, como o temos visto, ao conjunto da família de Deus, tanto em seu aspecto mais restrito como no mais amplo, a fim de que nem um só crente possa esquivar-se de seu dever quando se trata de repelir os ataques contra a fé.  Devemos notar que o estado dos crentes, aos quais o apóstolo escrevia, estava muito longe de responder ao que deveria ter sido. Assim disse: “Quero, pois, lembrar-vos, embora já estejais cientes de tudo uma vez por todas”.  Encontravam-se a ponto de esquecer estas coisas em outro tempo muito conhecidas e que lhes haviam sido ensinadas uma vez no princípio. Haviam recebido a unção do Espírito Santo, pela qual sabiam todas estas coisas, porém, sua fé estava debilitada, seus pensamentos haviam se desviado para o mundo; por isso Judas sentia a necessidade de lembrar-lhes a que se referia a cena para a qual dirigiam seus olhares de concupiscência. Deste modo o apóstolo Pedro, em sua segunda epístola, sentia a necessidade de despertar os crentes descuidados, lembrando-lhes estas coisas (2 Pedro 1:13). E nós?  Pensamos acaso que não é tempo de que nos sejam lembradas?  Temos despertado de nosso sono? A trombeta para ir ao combate faz tempo que soou. Para nos reunir ao redor da bandeira esperaremos que o inimigo nos surpreenda indefesos e nos derrube, para vergonha do glorioso Chefe que nos conduz? Queira Deus que as palavras do apóstolo penetrem em nossos ouvidos: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará” (Efésios 5:14).

 

Resistir ao mal

A segunda parte da epístola de Judas (versículos 5-16), nos descreve o mal que caracteriza os últimos dias. Sinto na alma que o tema que nos ocupa não seja nem edificante nem nos traga gozo, porém em certos momentos, Deus nos conduz à beira de um precipício e nos convida a dar uma olhada. Esta olhada é muito saudável, quando, como Ló, temos sido seduzidos pela aparência perfeita das planícies do Jordão. Recordemos somente que se trata de resistir ao mal, nada nos capacita tanto para refletir. Veremos que “toda a armadura de Deus” (Efésios 6:11), para resistir no dia mal, consiste, diante de tudo, em um bom estado da alma e que a vitória depende por inteiro disto. As simples palavras não conduzem à vitória, mas sim uma vida consagrada a Cristo e passada em sua comunhão.

 

Versículo 4: “Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo.”

 

Estes homens haviam se infiltrado entre os irmãos e introduziram “heresias destruidoras” (2 Pedro 2:1). Porém, a palavra nos revela em relação a eles que em tempos antigos, estes homens, que apareceram muito tempo depois, “haviam sido destinados para esta condenação”. Este termo não significa de maneira alguma que Deus os houvera predestinado à condenação eterna, grave erro que formava parte da doutrina de Calvino. Esta passagem quer dizer que Deus havia falado de antemão destes homens maus do fim e havia proclamado desde a antiguidade a carga que pesaria sobre os mesmos, a eterna condenação. A primeira vez que um profeta (Enoque) foi trazido à vida no mundo, anunciou que uma acusação recairia sobre os malvados de nossos dias, a qual traria a eterna condenação de um terrível juízo sobre os tais. Tomara que abram em tempo os olhos para que possam notar a sorte que os ameaça e conhecer o horror que Deus tem das doutrinas que têm inventado, horror provado pelo fato de que já desde o princípio do mundo, antes do dilúvio, condenou estes ensinamentos nocivos que tão amplamente vemos divulgados em nossos dias.

 

Duas características do mal

Estes homens são “ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo”. Duas características do mal são assinaladas aqui, para que possamos conhecê-las facilmente. Estes ímpios dos quais fala o apóstolo, são os homens de nossos dias que não nasceram sob o regime da lei, mas sob a graça. O que fazem estas pessoas com tal graça? A menosprezam e não consideram as obrigações morais que lhes impõem e aproveitam a mesma para se entregarem a uma corrupção desenfreada. A segunda característica dos ímpios é que “e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo”. Este termo se repete várias vezes no curso desta epístola. A Palavra não nos diz que os ímpios neguem a pessoa de Cristo, mas que negam o Seudomínio, quer dizer, não aceitam Sua autoridade, e isto é o que caracteriza a cristandade antes do desenrolar final da apostasia. Estes homens só buscam a autoridade em si mesmos e no que chamam sua consciência. É a “iniquidade” de que fala I João 3:4, a vontade própria ou a rejeição de toda a lei fora de si mesmo, já que cada qual é a lei para si.

Os direitos de Cristo são assim pisoteados. Sua Palavra não serve de regra. Cada qual é livre para julgá-la, tomar dela o que lhe convém e rejeitar o que não lhe convém. Não nos esqueçamos que estes “ímpios” professam frequentemente a maior admiração e o mais profundo respeito pela pessoa de Cristo, embora rejeitem Seu senhorio. Diante da Palavra que O revela, se reservam o direito e a autoridade de julgar, coisa que somente corresponde a Deus. Sua religião é, pois, a exaltação do homem e o será cada vez mais, até o dia em que se revele “homem da iniquidade... a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus”. (II Tessalonicenses 2:3-4)

 

Versículo 5“Quero, pois, lembrar-vos, embora já estejais cientes de tudo uma vez por todas, que o Senhor, tendo libertado um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu, depois, os que não creram”.

 

Depois de haver mostrado as duas características dos ímpios – o abandono da graça e a rejeição da autoridade do Senhor – o apóstolo passa ao juízo do mal, porém, estabelece em primeiro lugar que, da parte de Deus, nenhum recurso havia faltado ao homem. A história do povo de Israel dava testemunho disso; Deus o havia livrado da terra do Egito mediante a redenção; por que, pois, este povo foi destruído no deserto?  Porque não tinha crido; a falta de fé era a causa de seu juízo, pois não há benção real separada da fé.

 

Versículo 6 -7“e a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia; como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregado à prostituição como aqueles, seguindo após outra carne, são postas para exemplo do fogo eterno, sofrendo punição.”.

 

Da mesma forma que foi para Israel, a incredulidade da cristandade professante é o motivo de seu juízo; porém, antes de tudo, o apóstolo quer caracterizar a apostasia, consequência desta incredulidade e os juízos que a esperam. Seja como for, o abandono de nossa origem é a apostasia. O apóstolo faz referência a acontecimentos misteriosos relatados em Gênesis e que a Palavra deixa ocultos na escuridão, como os anjos caídos que os têm provocado.  Não cabe a nós levantar este véu, porém o que sabemos é que o juízo do grande dia alcançará a estes espíritos corrompidos, como o juízo do fogo alcançou às cidades profanas de Sodoma e Gomorra que haviam agido da mesma maneira que eles. Encontramos aqui, pois, duas classes de juízo: um futuro e outro imediato e definitivo; um sob a escuridão, em cadeias, para alcançar a sentença do tribunal divino, outro atual, pelo fogo, que é eterno.

 

Versículos 8 - 9 Ora, estes, da mesma sorte, quais sonhadores alucinados, não só contaminam a carne, como também rejeitam governo e difamam autoridades superiores. Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele; pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda!”

 

Judas passa agora aos malvados que viviam em seu tempo e cujo caráter irá piorando cada vez mais até o juízo final. Os chama de “sonhadores”, pessoas que, ao invés de serem conduzidas pela verdade o são por uma imaginação que não conhece regras. A partir do momento em que o homem abandona a Palavra de Deus não há nenhuma razão impedindo que ele se entregue à injustiça e às fábulas. Esses sonhadores têm duas características já mencionadas no versículo 4: censuram a carne, menosprezam e criticam as autoridades superiores. O menosprezo do Senhorio de Cristo tem por consequência fatal uma atitude injuriosa a respeito das autoridades, enquanto que o cristão, que reconhece a autoridade do Senhor, não tem nenhum problema em submeter-se àqueles que são instituídos por Ele. Assim, sejam estes homens juízes sem moralidade ou tiranos sanguinários, o crente se submete a eles, a não ser naquilo que a obediência a Deus tenha primazia sobre aquela que é devida aos homens. Mesmo o arcanjo Miguel não ousou proferir juízo de maldição contra Satanás, que queria apoderar-se do corpo de Moisés, sem dúvida para seduzir novamente o povo conduzindo-o à idolatria.

 

Versículos 10-11“Estes, porém, quanto a tudo o que não entendem, difamam; e, quanto a tudo o que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas coisas se corrompem. Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Coré”.

 

A Palavra “estes” ocupa um lugar muito importante nesta curta epístola. Caracteriza os homens que se levantam contra Deus, nos dias de Judas, nos nossos e até o momento da vinda do Senhor em juízo. Estes homens, pois, existem em nossos dias. Pedro, em sua segunda epístola, os qualifica da mesma maneira: “Esses, todavia, como brutos irracionais, naturalmente feitos para presa e destruição, falando mal daquilo em que são ignorantes, na sua destruição também hão de ser destruídos” (capítulo. 2:12).

Com que termos de menosprezo o Espírito de Deus trata àqueles que ousam levantar-se contra Deus, àqueles que se orgulham de sua inteligência e se rebaixam ao nível de animais irracionais, pois os insensatos supõem que o homem que evita a Deus pode ser inteligente!

 

Ai deles!

O apóstolo acrescenta: “Ai deles!” pois por um lado provocam o menosprezo de Deus e por outro trazem juízo contra si. O Senhor pronunciou ais contra os habitantes de Jerusalém e contra as cidades da Galileia: todos os profetas do Antigo Testamento também o fizeram contra o povo judeu e as outras nações; porém aqui, como em Apocalipse 8:13, o ‘ai’ é pronunciado a respeito da cristandade. É um“ai” mais terrível que o de outros tempos, pelo motivo dos superiores privilégios concedidos às nações cristãs. O que lhe parece? Você crê nisso? Há sentido na desgraça que pesa sobre este mundo cristianizado no meio do qual você vive? “Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Coré”. Encontramos neste versículo três exemplos que nos descrevem o progresso do mal desde seu início até a apostasia, três passos que conduzem o homem à rebelião final contra Deus e contra Cristo.

 

Caim: a justificação pelas obras.

O primeiro caso é o de Caim. A religião de Caim não admite que a maldição de Deus pese sobre o homem e sobre o mundo por causa do pecado. Caim se apresenta diante de Deus com a ideia ilusória de que um pecador pode por si mesmo agradar a Deus. Por isso apresenta seu melhor trigo, fruto do seu trabalho e de seus esforços, como um sacrifício a Deus. Esta religião natural, princípio da apostasia, em nada difere da dos homens de hoje em dia, pois destes fala o apóstolo quando diz que “prosseguiram pelo caminho de Caim”. A religião destes consiste em tentar agradar a Deus através de suas obras. Sem considerar a Palavra de Deus, afastam da consciência a ideia de um juízo inevitável. Porém, o exemplo de Caim tem outro alcance. O fiel testemunho de Abel quanto à justificação pela fé, dá lugar ao ódio de Caim contra seu irmão, imagem também do ódio do povo judeu contra Cristo. Esse ódio contra o que é nascido de Deus caracteriza particularmente os últimos tempos em todo o Apocalipse.

 

Balaão: uma religião perversa

Se Caim representa o estado de todo o mundo religioso, o caso deBalaão tem um alcance mais restrito. É, se me atrevo a expressar assim, o mal eclesiástico. Já sabem quem era Balaão: um profeta; não um falso profeta, pois seus dons haviam sido recebidos de Deus, porém os unia a práticas idólatras: saía ao “encontro de maus presságios”. Presumia conhecer a vontade de Deus, de propósito ensinava erros. Com que finalidade? Por dinheiro! Cobrava por isso; obtinha um salário pelo ensino destinado a aniquilar o povo de Deus. Pouco importava a Balaão que Satanás estivesse por traz de tudo aquilo, seu intuito era enriquecer através disso. “Amou” - disse Pedro - “o prêmio da injustiça” (II Pedro 2:15). O Apocalipse nos revela um segundo caráter de Balaão, consequência forçosa do primeiro. Fala da “doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição” (capítulo 2:14). Por isto sabemos o que o livro de Números nos diz: que Balaão, vendo que perdia a sua recompensa, aconselhou a Balaque que seduzisse Israel por meio das filhas de Moabe, para fazê-lo curvar-se diante de Baal-Peor (Números 25:1-4). É triste ter que comprovar, queridos irmãos, que ensinar erros em troca de recompensa é uma das características da apostasia e que corresponde ao cristianismo de nossos dias. Vê-se ocupar o púlpito homens que negam as mais importantes verdades da fé e que ensinam o erro ocultando-o sob palavras destinadas a enganar aos ingênuos com o veneno que elas contêm. Esse erro não é algo futuro, pois, começava já a manifestar-se nos dias de Judas. Existe hoje também, e a palavra de Deus pronuncia o “ai” sobre quem o propaga.

 

Coré: um desafio aberto à autoridade divina

Encontramos, no caso de Coré, um último passo no caminho do mal: “e pereceram na revolta de Coré”. Coré era um levita que ambicionava usurpar a dignidade de Aarão no seu sacerdócio. Queria dominar o povo de Deus apoderando-se de um ofício atribuído numa ocasião ao irmão de Moisés e conferido na atualidade a Cristo. Lemos também, no livro de Números, que Coré havia se associado a Datã e Abirão rubenitas, os quais se levantaram contra Moisés e se recusaram a obedecê-lo. Moisés era, no seu tempo, o verdadeiro rei de Israel (Deuteronômio: 33.5). Na atualidade, este verdadeiro rei é Cristo, a Quem tem sido confiada a autoridade da parte de Deus. Coré, Datã e Abirão lhe negam obediência. É figura da aberta rebelião contra Cristo, o último caráter, em parte ainda futuro, da apostasia. Aproxima-se o dia em que a cristandade não desejará saber mais nada Dele, nem como sacerdote, nem como Rei, nem como Deus. Negará ao Pai e ao Filho. Este último caráter, a apostasia de Coré, é o pior de todos. Vemos, pelos juízos que caem sobre estes diversos personagens, de que forma Deus avalia as ações deles. Caim, amaldiçoado por Deus, caminha errante e vagabundo pela Terra; Balaão cai sob a espada de Israel juntamente com os reis de Midiã; a terra traga Coré e seus parentes, que descem vivos ao sepulcro, como precursores de seu último representante, o Anticristo, que terá a mesma sorte no lago de fogo. Tal é, queridos irmãos, os esclarecimentos dos princípios do mal. É necessário que todos nos demos conta do que é o mundo em sua relação com Deus e a sorte que o espera, e se isto é assim, seu futuro nos encherá de uma profunda piedade para com ele - como veremos no final desta epístola - de um zelo mais ardente para salvar as almas que fazem parte deste sistema. Porém, por outro lado, não podemos buscar sua amizade, já que o juízo pesa sobre sua cabeça. Moisés disse ao povo, quando houve a rebelião de Coré: “Desviai-vos, peço-vos, das tendas destes homens perversos” (Números 16:26). Um Israelita teria sido obediente à palavra do Senhor se houvesse ido apertar as mãos dos ímpios lhes declarando amizade? Esta desobediência, pelo contrário, não teria feito o israelita correr o risco de compartilhar da sorte deles?

 

Versículos 12-13“Estes homens são como rochas submersas, em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato, pastores que a si mesmos se apascentam; nuvens sem água impelidas pelos ventos; árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas; ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias sujidades; estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre.”

 

Todos estes exemplos do fim, assim como as palavras saídas em outro tempo da boca do profeta Enoque, se relacionam com “estes”, quer dizer, com os homens dos últimos tempos, e estes tempos são, para nós, os atuais. O apóstolo acrescenta ainda a esse quadro uma ruptura geral, na qual reconheceremos o mundo atual: a iniquidade contínua e a agitação sem trégua. São, disse, “nuvens sem água impelidas pelos ventos... ondas bravias do mar”. Isaías expressa o mesmo pensamento: “Mas os perversos são como o mar agitado, que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e lodo” (capítulo 57: 20). Se por casualidade parecem lançar raízes, são “árvores...duplamente mortas, desarraigadas”. Sim, o mundo atual está em contínuo movimento e sua marcha cada vez se acelera mais. Como seus trens, automóveis, aviões, etc... precipita-se para o abismo, temendo, ao pensar em conceder um só instante à reflexão, nesta corrida vertiginosa, para perguntar aonde vai e pensar seriamente em seu futuro. Lamentavelmente, como estrelas errantes, desaparecerão nas trevas eternas. Somente o cristão possui o repouso neste mundo, porque seu repouso está em Cristo. Seu coração e sua consciência têm edificado sobre a rocha dos séculos, eterno fundamento da fé.

 

A profecia de Enoque

Versículos 14-16: “Quanto a estes foi que também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele. Os tais são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias; são aduladores dos outros, por motivos interesseiros.”

 

Enoque profetizou antes do dilúvio. Evidentemente sua visão de profeta advertia sobre o juízo que séculos mais tarde cairia sobre o mundo por meio do dilúvio, porém, olhava muito mais longe, no futuro. Sua profecia, através de milhares de anos, chega aos nossos dias, pois ela nos fala da vinda de Cristo em juízo com seus milhares de santos. Enoque não esperava o dilúvio - o qual não o alcançou - mas ao Senhor. Por isso, sua esperança se viu satisfeita, já que foi arrebatado sem passar pela morte e voltará com Cristo quando Ele vier acompanhado pelo exército celestial para executar vingança contra os homens ímpios de nossos dias. Depois de haver pintado o quadro dos ímpios em suas relações com Deus, o apóstolo considera ainda o caráter moral dos mesmos. Este exame é da maior importância, pois com frequência, quando falamos da horrível condição dos ímpios, pessoas bem intencionadas nos respondem: “Sem dúvida é angustiante que haja outro modo de pensar que o nosso sobre estes assuntos, porém são pessoas honradas, firmes e irrepreensíveis quanto à conduta, etc.”. É assim que a Palavra se refere a eles?  Ouçamos o que nos diz: “Os tais são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias; são aduladores dos outros, por motivos interesseiros.”

“Murmuradores” (ou queixosos de sua sorte): Não é acaso o que cada vez mais caracteriza ao mundo que vive sem Deus? Um véu de descontentamento e de amarga tristeza se estende por todos os lugares sobre os espíritos; procura-se fugir disso por meio de uma agitação febril, porém, em vão. Podemos encontrar alguém feliz no mundo? Ainda, o pensamento de que outro alcançou o que desejava faz nascer ciúmes no coração: “queixosos de sua própria sorte”. O apóstolo acrescenta que “andando segundo as suas paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias”. O orgulho, a satisfação própria, a pretensão do poder, andam em concordância com a busca de secretos desejos do coração. Enfim “são aduladores dos outros, por motivos interesseiros”. Não é este o costume do mundo?  Professam admiração pelos demais, dizem palavras agradáveis pela vantagem que levarão nisso. Temos seguido até o fim desta triste enumeração dos elementos do mal, já amplamente desenvolvido em nossos dias e que estão às vésperas de precipitar essa corrida de uma forma que não se possa reprimir. A apostasia é como essas avalanches que vemos formar-se nas montanhas. A princípio não são senão alguns fragmentos de neve que vão rolando pelo declive da cobertura de neve. Estes fragmentos de neve arrastam a outros e, de repente, com uma rapidez desvairada, esta torrente sólida se precipita, arrasando tudo o que encontra pela frente, até que enche o vale com seus restos. O mundo atual pode esperar este desastre moral do fim de um momento para outro.

 

Exortações finais

Versículos 17-18: “Vós, porém, amados, lembrai-vos das palavras anteriormente proferidas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo; os quais vos diziam: No último tempo, haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias paixões”.

 

Acabamos de ver o estado da cristandade e o juízo que lhe espera. Agora o apóstolo se dirige aos fiéis – a todos vocês, amados de Jesus Cristo – para exortá-los. Esta expressão “Vós, porém” é a contrapartida de “estes”. A vocês, filhos de Deus, o Espírito Santo ensina o que têm que fazer e qual a salvaguarda na presença do mal que aumenta. Ele (o Espírito) os conduz à Palavra de Deus tal como lhes tem sido transmitida no Novo Testamento pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo. A segunda epístola de Pedro, a qual contém a mesma exortação, acrescenta ao Novo Testamento o conteúdo do Antigo: “para que vos recordeis das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinado pelos vossos apóstolos” (capítulo 3:2). Da mesma forma, o versículo 18 de nossa epístola corresponde a 2 Pedro 3:3 “tendo em conta, antes de tudo, que, nos últimos dias, virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões”. Temos de recordar que “nos últimos dias” ou nos “últimos momentos”, sobrevirão escarnecedores. Sua atual aparição nos prova que temos chegado certamente a estes últimos tempos. Por um lado encontramos grande alívio ao pensar que, dentro de muito pouco tempo, todo este mal haverá terminado de desenvolver-se e seremos introduzidos na glória de nosso Senhor Jesus Cristo: porém, por outro lado a comprovação desta última forma do mal é a mais séria e deve nos colocar em guarda. O capítulo 3 da segunda epístola de Pedro descreve detalhadamente estes enganadores: “andando segundo as próprias paixões, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação". Estas pessoas não são, como se poderia pensar, daquelas que tudo levam na brincadeira e que pretendem ridicularizar as coisas divinas: esta maneira de ser estava na moda há mais de um século e meio. Os enganadores dos últimos dias são enganadores formais e sérios que rejeitam a Palavra de Deus em nome da ciência e da razão e estimam que só é digno de ser crido o que se vê. Creem na eternidade da matéria, pois “as coisas permanecem como desde o princípio da criação”. Se professam uma alta estima pela pessoa de Jesus Cristo como personagem histórico e autêntico, sua carreira, na opinião dos mesmos, terminou na cruz. Portanto, rejeitam a promessa de sua vinda.

 

Versículo 19: “São estes os que promovem divisões, sensuais, que não têm o Espírito”.

 

Quando Judas escrevia, a Assembleia cristã subsistia ainda como um todo, tendo em seu seio gente “que promove divisões”. Não esqueçam amados leitores que existem duas classes de separação: uma aprovada por Deus, outra condenada por Ele. A primeira é a separação do mundo, segundo está escrito: “Retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei, e serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso” (II Coríntios 6: 17,18). A outra consiste em separar-se destes homens “sensuais que não têm o Espírito”, quero dizer, a separação em meio à cristandade. Tais homens haviam falhado entre os fiéis, sem ser deles, e formavam no meio deles “heresias ou seitas de perdição”, tomando parte em suas provocações e corrompendo aqueles que não deveriam tê-los recebido. A primeira epístola de João nos mostra uma segunda fase da separação destes homens. “Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos” (1 João 2:19). O dever de todo cristão, em nossos dias, consiste em separar-se deles, em não admiti-los na Assembleia dos crentes e não se juntar a eles no terreno que ocupam. Procede-se assim? Não! Lamentável! A influência nociva dos homens “sensuais, que não têm o Espírito” é tolerada e aceita hoje em meio à profissão cristã!

 

Versículos 20-21: “Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo, guardai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna.”

 

Depois de nos haver prevenido, a Palavra de Deus nos exorta e enumera nossos recursos em meio a este estado de coisas. Voltamos a encontrar aqui uma verdade muito preciosa da qual já temos falado, e é que Deus pode ser perfeitamente glorificado pelos seus no meio de uma cristandade arruinada.

A primeira exortação é que nos edifiquemos sobre nossa santíssima fé, a fé “que uma vez por todas foi entregue aos santos" (v 3). Como temos dito, é evidente que não podemos edificar-nos sobre o pobre fundamento do que se encontra em nosso coração, enquanto que esta fé – a doutrina cristã - contida na Palavra que nos tem sido confiada, é santíssima, porque por ela o Senhor quer nos separareternamente do mundo, para Ele: “Santifica-os em tua verdade; a tua Palavra é a verdade” (João 17:17). A Palavra é, pois, nosso recurso para glorificar ao Senhor.

A segunda exortação é: “orando no Espírito Santo”. Se bem que Deus nos santifica para Ele, por meio das Sagradas Escrituras, também o faz pela oração. A oração manifesta nossa dependência em relação a Deus. Por ela nos aproximamos Dele e apresentamos nossas necessidades. Assim, entramos em relação direta com Ele em nossa vida cotidiana; porém, para que seja eficaz, a oração deve ser feita pelo Espírito Santo. De modo que sejamos santificados, separados para Deus, primeiro pela Palavra, e também pelo exercício habitual da oração. A terceira exortação é da maior importância: “Guardai-vos no amor de Deus”. O Espírito Santo tem derramado este amor em nossos corações e devemos conservar-nos nele, vigiando para que não haja em nossas almas a menor coisa que possa perturbar o gozo deste amor. A quarta exortação é: esperar “a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo” (v. 21). É a esperança cristã. Esses versículos contêm, pois, os três sinais característicos do filho de Deus, tão frequentemente mencionados no Novo Testamento: a fé, o amor e a esperança. Essa última é tão importante como as outras duas; espera a vida eterna na qual só a misericórdia de Deus pode nos introduzir. Aqui, a vida eterna não é - como nos escritos de João - a que o cristão possui, mas aquela na que vai entrar, enquanto desfruta dela imperfeitamente aqui embaixo. Note que nestes versículos (20 e 21) nossos recursos consistem em nossas relações com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

 

Versículos 22-23“E compadecei-vos de alguns que estão na dúvida; salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne”.

 

Temos também, como cristãos, deveres para com os que são contenciosos e deveres para com nossos irmãos. Enquanto os enganadores que disputam (como Satanás, seu amo, disputava com o arcanjo Miguel) temos que repreendê-los dizendo-lhes também: “O Senhor te repreenda!” Já não é tempo de tratar de persuadi-los. Estamos no tempo a respeito do qual nos é dito: “Quem é injusto faça injustiça ainda; e quem está sujo suje-se ainda; e quem é justo faça justiça ainda; e quem é santo seja santificado ainda” (Apocalipse. 22:11). Porém, as almas de nossos irmãos podem deixar-se seduzir por aqueles faladores e por suas falsas doutrinas que criticam a Palavra de Deus e a pessoa do Salvador. Que temos que fazer por eles? Salvá-los com temor, arrancando-os do fogo. Um cristão comparou a epístola de Judas com uma casa incendiada. É preciso salvar a todo o custo os moradores, inclusive arriscando a nossa vida: nenhum esforço deve ser medido, pois conhecemos o valor de suas almas. É preciso que se deem conta dos perigos iminentes no qual se encontram. Vamos salvá-las com temor. Tal é nosso objetivo principal ao dirigir aos cristãos a grave advertência contida nestas páginas. Assim, no que nos diz respeito, se queremos ser úteis aos demais, aprendamos a detestar até “a roupa contaminada pela carne”, a evitar todo o contato com quem professa impureza (a roupa é o símbolo da profissão) da qual nos fala esta epístola , chamando-a contaminação ou sociedade da carne (veja Apocalipse. 3:4). Da mesma maneira, na segunda epístola aos Coríntios, o apóstolo, depois de haver falado da obrigação imperiosa, para a família de Deus, de separar-se do mundo, acrescenta, quanto ao nosso testemunho individual: “purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus” (2 Coríntios 7:1). Queira Deus ajudar a todos os Seus filhos a colocar em prática estas coisas e a cada um deles ajudar a perguntar-se: você manifesta de forma prática as características recomendáveis por esta epístola para os tempos atuais? Se não podemos responder com um sim de maneira positiva, não deveríamos nos sentir profundamente humilhados ao ver que manifestamos tão pouco o que o Senhor nos recomenda?

 

Doxologia

Versículo 24: “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória”.

 

Diante disso, se não sabemos nos guardar das influências nocivas que nos rodeiam, temos um recurso: a ajuda de Deus! Só Ele é capaz de nos guardar. Confiemos Nele, pois, bem o sabemos, não podemos ter confiança em nós mesmos. Não é maravilhoso que esta epístola – que é um quadro do desenvolvimento irresistível do mal nos últimos dias - nos ensine ao mesmo tempo como podemos ser guardados de deslizes em um caminho cheio de obstáculos e emboscadas?

Nos anima por meio da certeza de que Deus é capaz de cumprir perfeitamente o que somos incapazes de fazer, e de nos colocar, pela eternidade, irrepreensíveis diante de sua glória, com gozo abundante. Que vigor nos inspiram essas palavras! Quão precioso é que sejam dirigidas para o tempo atual, e não para um tempo no qual tudo estava relativamente em ordem! Quão alentador é pensar que o poder de Deus não mudou, nem se deixa mudar pelas circunstâncias e se glorifica tanto mais quanto se manifesta num tempo de desolação moral e de ruína! Quanto mais vai crescendo a apostasia, mais indispensável é que não tenhamos confiança em nós mesmos e que nos apoiemos Naquele que quer nos guardar e nos introduzir no gozo eterno de sua glória.

 

Versículo 25: “ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!”

 

Não encontramos uma só epístola do Novo Testamento na qual o louvor ao Deus Salvador seja derramado tão ricamente como nesta epístola de Judas. Não somente nossa marcha pode glorificar a Deus nestes tempos maus, mas apreciaremos tanto mais sua glória quanto mais difíceis sejam as circunstâncias em que nos encontremos. Só o fato de reter o nome de nosso Senhor Jesus Cristo e de não negá-Lo quando é atacado por todos os lados, nos qualifica para compreender esta glória e celebrá-la, e nos faz provar antecipadamente da grande reunião celestial na qual serão pronunciadas ao redor do trono palavras semelhantes a estas : “Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder”! (Apocalipse 4:11).

Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças... Ao que está sentado no trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio, pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 5:9, 13).


Amados irmãos e irmãs, que Deus nos ajude a enfrentar estas coisas, a não nos iludirmos acerca dos sinais dos dias que atravessamos, mas ouvir as exortações desta epístola.

Assim, em vez de manifestar uma culpável indiferença para o mal, ou de desanimarmos, andaremos cada vez mais firmes, tendo à nossa disposição o poder de Deus, sempre pronto a nos conduzir, nos sustentar e a nos guardar das quedas até a vinda gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

H. Rossier - 

Dr Henri Rossier - Um dos primeiros irmãos na Suíça francesa. Esse irmão foi um árduo trabalhador e um incansável escritor e editor na fala francesa. Deixou comentários sobre basicamente todos os livros da Bíblia.

"...que te importa? Quanto a ti, segue-me" - João 21:22

O Senhor Jesus tinha acabado de dizer a Pedro que ele viveria até se tornar um idoso e então morreria a morte de um mártir. Pedro imediatamente olhou para João e perguntou em voz alta se João receberia um tratamento melhor. A resposta do Senho foi: "...que te importa? Quanto a ti, segue-me".

Lembrando da atitude de Pedro, Dag Hammarskjold escreveu: "Apesar de tudo, sua amargura, porque os outros estão desfrutando do que lhe foi negado, está sempre pronta para explodir. Na melhor das hipóteses, ela fica dormindo por uns poucos dias ensolarados. Ainda assim, mesmo neste nível indescritivelmente miserável, ela ainda é uma expressão da verdadeira amargura da morte - o fato de que aos outros é permitido continuarem vivendo".

Se levássemos a sério as palavras do Senhor, elas resolveriam muitos problemas entre o povo cristão.

É tão fácil ficarmos ressentidos quando vemos outros prosperarem mais que nós. O Senhor permite que eles tenham uma casa nova, um carro novo, um chalé perto do lago.

Outros, a quem talvez consideremos como menos devotos que nós, têm boa saúde enquanto lutamos contra duas ou três doenças crônicas.

A família ao lado tem filhos lindos que se sobressaem em esportes e no meio acadêmico. Nossos filhos são normais, do tipo mais comum.

Vemos outros crentes fazendo coisas que não temos a liberdade de fazer. Mesmo que essas coisas não sejam pecados, ficamos ressentidos com sua liberdade.

É triste dizer, mas há certa inveja profissional entre obreiros cristãos. Um dos pregadores fica ofendido porque o outro é mais popular, tem mais amigos, fica na luz do holofote. Ou outro fica irritado porque seus colegas usam métodos que ele não aprova.

As palavras do Senhor atingem todas estas atitudes indignas com força surpreendente:"...que te importa? Quanto a ti, segue-me". Como o Senhor lida com outros cristãos realmente não é da nossa conta. Nossa responsabilidade é segui-Lo em qualquer que seja o caminho que Ele escolheu para nós.

Estraído do Devocional Luz Para o Caminho - William MacDonald