Visite Nossa Página no Youtube


Rating: 2.8/5 (71 votos)




ONLINE
2





Partilhe este Site...







Total de visitas: 678398
Orações Não Atendidas!
Orações Não Atendidas!

Por que as minhas orações não são atendidas?

 

 Acho que todos já experimentámos o sentimento de que as nossas orações continuam sem respostas. Pode ter orado insistentemente e repetidamente por algo específico e aparentemente não ter tido resposta. Pode até ter se sentido mal por não ter dado certo para você.

 

É importante entender quais são exatamente as promessas de Deus em relação à oração.

 

Condição 1

Manter a fé

“Se você crê, você receberá o que pedir em oração.” Mateus 21.22

 

Precisamos acreditar que tudo é possível a Deus. Ele é real e capaz de fazer coisas grandiosas acima do que você possa imaginar.

 

Mas não devemos acreditar que Deus usará o seu poder para propostas tolas ou para satisfazer a nossa própria vontade.

 

Condição 2

Manter as palavras de Deus

“Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.” João 15.7

 

Se me submeto às palavras de Cristo – como diz a Bíblia – elas alinharão o meu coração com a vontade de Deus.

 

E não desejarei então coisas fora da vontade de Deus.

 

Condição 3

Manter uma boa consciência

“Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus;  E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista.”

1 João 3.21-22

 

Você teria coragem de ir a Deus e pedir um favor, se sabe que ele desaprova o seu estilo de vida? Claro que não! O sucesso da sua oração depende da sua integridade diante de Deus.

 

Um deus imaginário pode aceitar compromissos tais como penitência e ofertas, mas certamente não o Deus Santo e Vivo se o mal está presente.

 

Como podemos limpar a nossa consciência?

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” 1 João 1.9

 

Uma confissão sincera diretamente a Deus é uma maneira simples e eficaz para limparmos a nossa consciência e restaurar a nossa harmonia moral com Deus.

 

Condição 4

De acordo com a sua vontade

“E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve .” 1 João 5.14

 

Deveríamos pedir de acordo com a vontade de Deus, mas nem sempre sabemos o que e como pedir.

 

Se somos dependentes de Deus, mesmo se “não sabemos como orar”, o Espírito Santo nos ajudará e nos guiará. Além do mais, “sabemos” que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus. Romanos 8.26-28. E isto nos dá paz mesmo se nossos pedidos forem atendidos ou não.

 

Uma pessoa insatisfeita pode rechaçar a Deus por não responder ás suas orações. Mas uma pessoa que não tem dúvida que Deus a ama, compreenderá que Deus sabe o que é melhor para ela.

 

Em Filipenses 4.6-7, temos permissão para levarmos as nossas preces a Deus.

 

Aqui a promessa não é que receberemos o que pedimos, mas que teremos a paz de Deus nos nossos corações como resposta imediata.

 

Quanto aos pedidos, se Deus não nos concedeu, é porque ele tem algo melhor para nós.

 

Condição 5

Em nome de Jesus Cristo

“Na verdade, na verdade vos digo que tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar.” João 16.23

 

Quando peço algo em nome de alguém, tenho a certeza que essa pessoa ficaria honrada com o meu pedido.

 

Quando oro a Deus em nome de Jesus Cristo, ressalto o valor do nome de Jesus aos olhos do Pai Celeste.

 

Este é o nome que tenho que usar com grande respeito. É um privilégio. Não posso usar desleixadamente ou por motivos fúteis.

 

O nosso pedido deve ser feito com humildade e dignidade. O assunto pode ser o menor ou maior motivo, mas o nosso comportamento deve ser submetido ao seu senhorio.

 

Não há outro nome pelo qual eu oro!


Esse texto foi extraído de:

Assembléia Cristã em Lisboa - http://www.assembleiacrista.org

"...que te importa? Quanto a ti, segue-me" - João 21:22

O Senhor Jesus tinha acabado de dizer a Pedro que ele viveria até se tornar um idoso e então morreria a morte de um mártir. Pedro imediatamente olhou para João e perguntou em voz alta se João receberia um tratamento melhor. A resposta do Senho foi: "...que te importa? Quanto a ti, segue-me".

Lembrando da atitude de Pedro, Dag Hammarskjold escreveu: "Apesar de tudo, sua amargura, porque os outros estão desfrutando do que lhe foi negado, está sempre pronta para explodir. Na melhor das hipóteses, ela fica dormindo por uns poucos dias ensolarados. Ainda assim, mesmo neste nível indescritivelmente miserável, ela ainda é uma expressão da verdadeira amargura da morte - o fato de que aos outros é permitido continuarem vivendo".

Se levássemos a sério as palavras do Senhor, elas resolveriam muitos problemas entre o povo cristão.

É tão fácil ficarmos ressentidos quando vemos outros prosperarem mais que nós. O Senhor permite que eles tenham uma casa nova, um carro novo, um chalé perto do lago.

Outros, a quem talvez consideremos como menos devotos que nós, têm boa saúde enquanto lutamos contra duas ou três doenças crônicas.

A família ao lado tem filhos lindos que se sobressaem em esportes e no meio acadêmico. Nossos filhos são normais, do tipo mais comum.

Vemos outros crentes fazendo coisas que não temos a liberdade de fazer. Mesmo que essas coisas não sejam pecados, ficamos ressentidos com sua liberdade.

É triste dizer, mas há certa inveja profissional entre obreiros cristãos. Um dos pregadores fica ofendido porque o outro é mais popular, tem mais amigos, fica na luz do holofote. Ou outro fica irritado porque seus colegas usam métodos que ele não aprova.

As palavras do Senhor atingem todas estas atitudes indignas com força surpreendente:"...que te importa? Quanto a ti, segue-me". Como o Senhor lida com outros cristãos realmente não é da nossa conta. Nossa responsabilidade é segui-Lo em qualquer que seja o caminho que Ele escolheu para nós.

Estraído do Devocional Luz Para o Caminho - William MacDonald