Visite Nossa Página no Youtube


Rating: 2.8/5 (71 votos)




ONLINE
2





Partilhe este Site...







Total de visitas: 678405
Tudo ou Nada
Tudo ou Nada

As duas pequenas moedas dadas pela viúva, nos faz pensar em nos mesmos nesses dias de economia e consumismo descontrolado, encontramos esse texto no evangelho de Marcos 12:42, ultrapassaram, na avaliação de Deus, a soma de todas as ofertas. Será que conseguimos entender bem isso, “ultrapassar a soma de todas as ofertas”, não tenho certeza que podemos dizer que sim. É relativamente fácil dar dezenas, centenas e milhares de nossos tesouros acumulados; mas não é fácil privar a si mesmo de um simples conforto ou de algo supérfluo, isto para não falar de algo que seja verdadeiramente necessário. Dar aquilo que temos de mais precioso, ou apenas aquilo que temos. Mas ela deu todo o seu sustento para a casa do seu Deus. Foi isso que a colocou numa afinidade moral de espírito com o próprio Senhor bendito. Você compreendeu o texto, ele nos diz que ela deu tudo o que possuía.


Mas por que será que o Espírito tomou tanto cuidado em registrar que ela “lançou dois leptos que valiam um quadrante"? (Almeida Revisada, Imprensa Bíblica.) Por que Ele não se contentou em dizer "valiam um quadrante"? Com certeza porque isto não atingiria o Seu propósito. Isto não desvendaria algo que tem rara beleza: o verdadeiro toque de uma devoção total do coração. Pois é isso que vemos quando ela doa tudo, ou seja, os dois leptos, que também são traduzidos em outras versões como moedas.

Se ela tivesse tudo em uma só moeda, ela teria dado tudo ou nada. Não demonstrando a evidência que ela doou os dois por livre escolha, pois ela o fez sabendo que podia dar um e ficar com outro, mas escolher não fazer e assim, se tornar para nós um ensino especial. Tendo o valor em duas moedas, ela tinha a opção de guardar metade para seu próprio sustento. E na verdade, muitos de nós consideraríamos uma devoção extraordinária dar à causa do Senhor metade de tudo o que possuímos neste mundo. Mas aquela pobre viúva tinha todo o seu coração para Deus.

Aí estava à questão. Não havia reservas quaisquer que fossem. O seu próprio eu e seus interesses estavam completamente fora de cena, e ela lançou todo o seu sustento naquilo que para o seu coração representava a causa de seu Deus. Que Deus nos conceda algo deste espírito!

Espero que tenha ajudado você a compreender que o fator principal aqui não é quantia e nem o valor da doação, mas é onde esta a nossa devoção e a verdade que está escondida em nosso coração que nos leva a ter essa ou outra atitude.

 

                                                                                                                                                                                Baseado em um estudo de C.H. Mackintosh

"...que te importa? Quanto a ti, segue-me" - João 21:22

O Senhor Jesus tinha acabado de dizer a Pedro que ele viveria até se tornar um idoso e então morreria a morte de um mártir. Pedro imediatamente olhou para João e perguntou em voz alta se João receberia um tratamento melhor. A resposta do Senho foi: "...que te importa? Quanto a ti, segue-me".

Lembrando da atitude de Pedro, Dag Hammarskjold escreveu: "Apesar de tudo, sua amargura, porque os outros estão desfrutando do que lhe foi negado, está sempre pronta para explodir. Na melhor das hipóteses, ela fica dormindo por uns poucos dias ensolarados. Ainda assim, mesmo neste nível indescritivelmente miserável, ela ainda é uma expressão da verdadeira amargura da morte - o fato de que aos outros é permitido continuarem vivendo".

Se levássemos a sério as palavras do Senhor, elas resolveriam muitos problemas entre o povo cristão.

É tão fácil ficarmos ressentidos quando vemos outros prosperarem mais que nós. O Senhor permite que eles tenham uma casa nova, um carro novo, um chalé perto do lago.

Outros, a quem talvez consideremos como menos devotos que nós, têm boa saúde enquanto lutamos contra duas ou três doenças crônicas.

A família ao lado tem filhos lindos que se sobressaem em esportes e no meio acadêmico. Nossos filhos são normais, do tipo mais comum.

Vemos outros crentes fazendo coisas que não temos a liberdade de fazer. Mesmo que essas coisas não sejam pecados, ficamos ressentidos com sua liberdade.

É triste dizer, mas há certa inveja profissional entre obreiros cristãos. Um dos pregadores fica ofendido porque o outro é mais popular, tem mais amigos, fica na luz do holofote. Ou outro fica irritado porque seus colegas usam métodos que ele não aprova.

As palavras do Senhor atingem todas estas atitudes indignas com força surpreendente:"...que te importa? Quanto a ti, segue-me". Como o Senhor lida com outros cristãos realmente não é da nossa conta. Nossa responsabilidade é segui-Lo em qualquer que seja o caminho que Ele escolheu para nós.

Estraído do Devocional Luz Para o Caminho - William MacDonald